terça-feira, 10 de julho de 2012

Invasoras

A menina em mim,
Quer um cavalo alado
Uma cantiga de ninar
E um jardim encantado.
A louca em mim
Quer colher orvalho nos olhos vazios
Vagar a esmo por alguns jardins
E plantar estrelas nos campos sombrios.
A santa em mim quer perdoar o tempo
Cuidar dos famintos e acariciar os pobres
Reconhecer seu deus e seus impulsos nobres.
A mulher em mim quer eternizar um poema
Dar luz a novos lírios e acordar serena,
Não quer ser pura, nem devassa,
Nem concreto, nem fumaça.
A bruxa em mim quer enfeitiçar o espelho,
E o insano homem que nunca passa.
Traduzir o sol vermelho e o vinho forte na taça.
Eu de mim mesma quero o silêncio!
Das tantas que vivem em mim,
Salvar a poetiza e a estranha,
Aquela que nunca cessa que é isenta e sem fim.
Que a seiva da vida apanha e colore de carmim.


Autora: Claudia Morett
http://claudiamorett.blogspot.com




Conduta Mágicka I - Ajuda ao Próximo


Magistas conscientes somente podem interferir, se houver, além da autorização, o pedido.

A cada dia,  mais o livre arbítrio deve ser respeitado, por que o tempo de cada um, como numa sala de aula, é diferente e há de chegar, mas não somos nós que decidimos isso e sim o outro.

Chega do paternalismo arrogante dos tempos passados, que, infelizmente ainda vemos ocorrer em certos lugares religiosos, quando se dizia, "ore por mim", entregando totalmente o próprio poder nas mãos de outrem, como se fôssemos incapazes. A pessoa pedia e ia para casa, esquecendo o motivo do pedido, não precisava fazer nada, já que estavam fazendo por ela. Neste contexto: "Melhor olhar a quem, antes de fazer o bem", por que em certos casos, devemos avaliar nossa conduta, e nos dispormos a ensinar, ao invés de apenas fazer pelo outro. Um ensinamento será carregado pelo resto da vida e torna o aprendiz independente. Achar que só nós podemos fazer pelo outro revela prepotência. Todos são capazes e reconhecendo isso, aprendemos sobre a nossa própria capacidade, enquanto ensinamos.



Na magia, uma das primeiras coisas que aprendemos é que um Magista que se preza deve saber "andar com as próprias pernas", porém quando necessário deve ser humilde o suficiente e pedir ajuda, sempre levando em conta que pedir o tempo todo, revela vampirismo, comodismo...etc.

Quando uma criança que está aprendendo a andar cai, nós a ajudamos a levantar, mas a partir do momento em que ela consegue fazer isso sozinha, não temos o direito de fazer nada que ela possa fazer por si mesma, por que neste caso estaremos interferindo e impedindo seu pleno desenvolvimento.

Autora: Edna Molina
Uma Feliz Sacerdotisa, da Deusa, da Terra, da Lua, do Amor e da Luz.